domingo, 23 de agosto de 2009

«DAPHNÉ»


Submarino francês que deu o nome a uma classe de navios submersíveis da qual também faziam parte os portugueses «Albacora», «Barracuda», «Cachalote» e «Delfim». Além de terem equipado a marinha de guerra francesa e a nossa armada, os submarinos deste tipo também arvoraram pavilhão de Espanha, do Paquistão e da África do Sul. O «Daphné», que foi lançado à água em 1964, deslocava 1 043 toneladas em imersão e tinha as seguintes dimensões : 57,75 m de comprimento por 6,74 m de boca. Podia navegar á velocidade máxima de 12 nós à superfície e de 15 nós em imersão. Foi concebido para poder mergulhar até 300 m de profundidade, com uma tripulação de 53 homens. Estava armado com 12 tubos lança-torpedos de 550 mm (não recarregáveis durante a mesma operação) e dispunha de meios de detecção (radar e sonars) iguais aos melhores da sua geração. 11 submarinos da classe do «Daphné» foram construídos para a França, nos arsenais militares de Cherburgo e de Brest, mas também nos estaleiros civis da casa Dubigeon, em Nantes. Dois deles -o «Minerve» e o «Eurydice»- desapareceram (com as suas tripulações) no Mediterrâneo, quando ali efectuavam manobras de rotina. O «Daphné» foi desactivado em 1989 e todos os outros submarinos do seu tipo foram riscados da lista de efectivos da 'Marine Nationale' até 1996.

Sem comentários:

Publicar um comentário