quarta-feira, 5 de agosto de 2009

«ALMIRANTE SALDANHA»


Este navio-escola (um quatro mastros aparelhado em lugre-escuna) foi encomendado pela marinha de guerra brasileira aos estaleiros britânicoa da Vickers Armstrong (de Barrow-in-Furness)em 1933. E foi incorporado na armada do Brasil em 11 de Junho do ano seguinte. Deslocava 3 325 toneladas em plena carga e media 94 m de comprimento por 15,85 m de boca. Além das suas 19 velas, o «Almirante Saldanha» possuía um motor diesel de 1 400 cv acoplado a um eixo que movia um hélice quadripá. O navio, podia atingir, utilizando simultaneamente os dois sistemas de propulsão, a velocidade máxima de 14 nós. Coisa rara num navio do seu tipo, o «Saldanha» estava fortemente armado : 4 canhões de 102 mm, 1 de 76 mm, 1 metralhadora e 1 tubo lança-torpedos de 533 mm. Este navio fez numerosas viagens de instrução de guardas-marinhas, entre as quais se conta uma memorável volta ao mundo realizada em 1952/1953. Em 1954 o navio começou a consagrar-se a missões de pesquiza oceanográfica, facto que levou à sua total reconversão; que começou no Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro em 1962. Quando, após dois anos de trabalhos, o «Almirante Saldanha» saíu do estaleiro, estava irreconhecível, passando a ser um moderno navio de estudos, que já nada tinha a ver fisicamente com o velho veleiro de 1934.

Sem comentários:

Publicar um comentário