quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

«S-13»


Submarino soviético da classe ‘S’. Construída em 1939, esta unidade só foi oficialmente integrada na armada vermelha no dia 31 de Julho de 1941. Deslocava 1 067 toneladas em imersão e media 77,80 metros de comprimento por 6,40 metros de boca. Como todos os submersíveis do seu tempo, o «S-13» movia-se graças a um conjunto de motores diesel e eléctricos. A sua velocidade máxima à superfície era de 19,5 nós e de 9 nós em imersão. Podia mergulhar a uma profundidade de 100 metros. Estava armado com 2 peças de artilharia -uma de 100 mm e outra de 45 mm- e com 6 tubos lança-torpedos de 530 mm. A sua guarnição era constituída por 50 homens, oficiais incluídos. Pertenceu à frota do Báltico e a sua base era em Kronstadt. Em 15 de Outubro de 1942, este submarino foi surpreendido (quando, à superfície, carregava baterias) e atacado por dois navios de guerra finlandeses e obrigado a efectuar um mergulho de emergência. Alvejado por cargas de profundidade, o «S-13» bateu no fundo e danificou seriamente o leme. Conseguiu, no entanto, sair dessa situação delicada e voltar à base, onde foi reparado. Mas este navio é, sobretudo, conhecido por ter torpedeado e afundado (quando se encontrava sob o mando do capitão Aleksander Marinesko) o paquete alemão «Wilhelm Gustloff» ao largo da costa polaca do mar Báltico. No soçobro do transporte germânico (ocorrido em 30 de Janeiro de 1945) morreram mais de 5 000 pessoas (umas 9 000, segundo certas fontes) : refugiados, soldados retirados da frente leste (devido ao avanço irresistível do Exército Vermelho), doentes e feridos, etc. Este afundamento, que é, até hoje, a maior catástrofe marítima de sempre, foi muito criticado, até pelos próprios Aliados. Diga-se, a descargo da consciência de quem provocou tal drama, que o capitão do submarino russo ignorava a natureza da carga transportada pelo navio-alvo, julgando tratar-se de um banal transporte de tropas. No dia 10 de Fevereiro do último ano da guerra, o «S-13» voltou às páginas dos jornais por ter mandado para o fundo o «General von Steuben», outro transporte alemão, no qual pereceram mais umas 3 500 pessoas. O «S-13» foi, assim, o submarino que mais vítimas causou durante a sua carreira bélica. Triste record…

Sem comentários:

Publicar um comentário