quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

«EBORENSE»


Conhecido ‘ferry’ da frota cacilheira. É o barco de transporte de passageiros mais antigo a operar entre as duas margens do Tejo. Foi construído pelos Estaleiros Navais de Viana do Castelo, que o lançaram à água no dia 12 de Novembro de 1954. É gémeo do «Alentejense», cuja realização data de 1957. Pertenceu, sucessivamente, à Parceria de Vapores Lisbonenses (de 1954 a 1957), à Sociedade Marítima de Transportes (de 1957 a 1975 ) e, desde este último ano, à Transtejo, empresa que acabou por concentrar toda a actividade de transporte de passageiros no estuário do maior rio ibérico. Esteve imobilizado algum tempo, em finais dos anos 80 e inícios da década seguinte, altura em que se submeteu a diversos trabalhos de modernização e em que recebeu uma nova motorização. Que é agora constituída por 2 máquinas diesel MTU/Mercedes com uma potência global aproximando os 1 000 cv. A velocidade do «Eborense» é, actualmente, de 11 nós. Este ‘ferry’, que pode receber 346 passageiros e 30 viaturas ligeiras, tem uma arqueação bruta de 460 toneladas e mede 50,25 m de comprimento por 11,20 m de boca. O seu calado não ultrapassa os 2,10 m. Presume-se que, com a venerável idade de 56 anos (em 2010), o «Eborense» seja substituído, num futuro próximo, por uma unidade mais moderna e mais funcional. Entretanto, este barco de trabalho, quase sem história, cumpriu -inteiramente- a missão para a qual foi consebido : transportar, entre a capital portuguesa e a outra banda, muitos milhares de trabalhadores e de veículos automóveis, que antes da construção da ponte 25 de Abril (1966) não tinham outra alternativa para cruzar o Tejo.

Sem comentários:

Publicar um comentário