domingo, 6 de março de 2011

«CORRIENTES»


Estranho destino o deste navio ! Foi projectado como uma unidade mercante (deveria chamar-se «Mormacmail»), mas foi apanhado pelos acontecimentos trágicos de fins dos anos 40; sendo então convertido (nos estaleiros da empresa Seattle-Tacoma Shipbuilding Corporation) em porta-aviões de escolta. Lançado à água em Março de 1942, integrou oficialmente os efectivos da ‘Royal Navy’ em 31 de Janeiro do ano seguinte, com o nome de HMS «Tracker». Nessa condição, participou em inúmeras e gloriosas missões de guerra, contribuindo, assim, activamente para a vitória dos Aliados contra as forças do Eixo nazi-fascista. Quando terminou o conflito, o navio foi transformado em paquete transatlântico (por um estaleiro naval de Newport News, E.U.A.) e vendido, em 1949, à Compañia Argentina de Navegación Dodero. Casa armadora que lhe deu o seu derradeiro nome, «Corrientes», e o colocou na linha Génova-Barcelona-Lisboa-Santos-Buenos Aires. Preparado para receber 1 340 passageiros, o «Corrientes» apresentava uma arqueação bruta de 12 053 toneladas e media 142 metros de comprimento por 21 metros de boca. Tal como o seu irmão gémeo «Salta» (que fora o porta-aviões britânico «Shah»), o «Corrientes» transportou, da Europa para a América do sul (sobretudo para a Argentina e para o Brasil) muitos milhares de emigrantes italianos, espanhóis, portugueses, mas também libaneses, sírios e turcos. Em 1964, o «Corrientes», já velho e cansado, teve uma avaria irreparável e foi obrigado a desembarcar todos os seus passageiros no porto de Lisboa. Tendo sido considerado irrecuperável pelos peritos, o navio foi vendido a um sucateiro belga que o encaminhou para Antuérpia, onde o «Corrientes» foi desmantelado ainda nesse ano.

19 comentários:

  1. Este navio trouxe meu pai de Lisboa à Santos em 1954. Aparentemente, não era um navio rústico, apresentando bom nivel de conforto. A travessia Lisboa-Santos levava 11-12 dias.

    ResponderEliminar
  2. No texto não está citado, mas havia uma parada no Rio de janeiro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim.. minha mãe veio neste navio em 1951.. ele chegou no Rio de janeiro e depois veio para Santos.

      Eliminar
    2. Eu minha mãe e dois irmãos tbm viemos em 1961descemos no rio de janeiro

      Eliminar
  3. Reitero o comentário feito pelo A.C da Silva, pois meus avós vieram de portugal para o Rio de Janeiro neste navio.

    ResponderEliminar
  4. Eu vim,para o Brasil,neste navio.Cheguei em Santos em 54

    ResponderEliminar
  5. Vim neste navio com minha mãe em novembro de 1952.
    Lisboa,Ilhas Canarias(reabastecimento),Rio de Janeiro e Santos.
    Duração da viagem,15 dias.

    ResponderEliminar
  6. Eu vim para o Brasil com minha mãe e dois irmãos em 1962. O mesmo, sofreu de madrugada, uma avaria nos motores em pleno oceano e a tripulação chamava a todos batendo nos camarotes com grande alarido e estava tudo às escuras. Só se viam as pontas das velas dos marinheiros que nos orientavam a subir para o convés para colocarmos os coletes salva-vidas. O navio executava fortemente uma sirene para avisar os navios que por ventura se encontrassem naquele lugar. Não se via nada. A sorte é que conseguiram fazer a energia voltar. Soubemos na manhã seguinte que o navio estava afundando por falta dos motores.
    Tudo acabou bem mas passamos um sufoco. Ele fez uma parada no Rio de Janeiro e veio para São Paulo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha sogra estava na embarcação que chegou no dia 17/09/62

      Eliminar
  7. Eu vim neste navio para o Rio de Janeiro em 1959, foram 12 dias...que pena ter sido sucateado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os meus tios também viajaram para o Brasil em 1959, não sei nada deles. Gostaria muito de saber o que é feito deles .

      Eliminar
  8. Meu pai veio de Portugal em Fevereiro de 1960,aos 12 anos, acompanhado de suas irmãs e mãe. A viagem durou 12 dias.

    ResponderEliminar
  9. Esse navio me trouxe de Lisboa à São Paulo em fins de março e aqui cheguei no início do mês de abril de 1954.
    Saudosas lembranças.
    O que mais me marcou foi quando o Corrientes parou em alto mar para ao emparelhar com um navio cargueiro que ia para Lisboa, recebeu um tripulante do referido cargueiro com úlcera rompida, sendo imediatamente operado pelo corpo médico.
    Alguns dias depois o tripulante já restabelecido fazia suas refeições com os demais passageiros do Corrientes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu vim nele 55 com minha mãe o mesmo arrebentou uma caldeira foi ôque disseram segundo minha MÃE nas deu tudo certo. Saida de lisboa Rio de Janeiro. E Santos aonde descemos .

      Eliminar
  10. Eu vim nesse navio de Gênova em 02/11/1955 e chegando a Santos em 17/11/1955 , passando por Barcelona e Lisboa.

    ResponderEliminar
  11. Saí do Funchal (Ilha da Madeira) na noite de 16.12.1961, nesse navio que devia estar vindo de Espanha pois estava cheio de espanhois com destino a Buenos Aires. Pernoitamos no Rio na noite de 28, e os passageiros puderam passear pela cidade. Chegamos a Santos em 29.12.1961.

    ResponderEliminar
  12. ... acabo de encontrar o registo de uma familiar muito proxima que desembarcou em Santos em 7 jul 1953 tendo viajado nesse Navio...Maria Amelia Cabral

    ResponderEliminar
  13. Eu participei da última viagem de Lisboa para o Brasil em agosto de 1964. O Navio avariou em alto mar e esperamos varios dias até sermos rebocados de volta a Lisboa.
    Só soube que havia sido a última viagem, quando vi uma foto do Corrientes com sua história no museu da imigração em São Paulo.

    ResponderEliminar