terça-feira, 14 de agosto de 2012

«SANTA TEREZA»



Galeão português do século XVII. Desconhecem-se as suas principais características físicas, mas pensa-se que ele não seria muito diferente dos navios do seu tipo construídos nos estaleiros ibéricos do tempo. Tempo em que as coroas de Portugal e de Espanha cingiam a fronte dos Filipes. Transportava 60 canhões e tinha 600 mosqueteiros integrados na sua guarnição. Sabe-se que participou nas acções militares da chamada Guerra dos Trinta Anos. Certo, certo é ter estado na batalha naval das Dunas (a não confundir com o confronto armado do mesmo nome ocorrido em 1658), que se travou –ao largo da costa inglesa- entre a armada espanhola e uma força naval holandesa composta por 117 navios e colocada sob o comando supremo do almirante Martin Tromp. O galeão «Santa Tereza» -sob o qual flutuavam as insígnias de don Lopo de Hoces y Córdoba- teve comportamento honroso nesse combate, durante o qual (só da banda de estibordo) disparou 1 520 tiros de peça, evitando a tomada do navio pelos batavos. O galeão português acabou, no entanto, por ser incendiado (a 31/10/1639) por um brulote holandês, que obrigou a sua guarnição a abandoná-lo, com a perda de muitas vidas. Esta batalha naval constituiu uma derrota decisiva para Espanha (que nela sofreu 6 000 mortos e a perda total de 43 navios contra 1 000 mortos do lado do inimigo e a destruição de um único navio) e terá concorrido, de forma indirecta, para a revolta do memorável dia 1º de Dezembro de 1640, que devolveu a Portugal a sua independência política.

Sem comentários:

Enviar um comentário