domingo, 22 de agosto de 2010

«LA BOURGOGNE»


Paquete francês de propulsão mista (vapor/velas) construído em 1885 nos estaleiros navais de la Seyne, pela firma Forges & Chantiers de la Méditerranée. Tinha casco de aço e deslocava 7 090 toneladas. Media 150 metros de comprimento por 15,96 metros de boca. Com as suas máquinas em pleno esforço e vento de feição nas suas velas, este navio podia atingir uma velocidade aproximada de 18 nós. Pertenceu a um tipo de quatro navios idênticos (todos com nomes de regiões francesas) integrados na frota da Compagnie Générale Transatlantique, que os utilizou na linha Havre-Nova Iorque. Após uma colisão com o «Ailsa» (da Atlas Line), que não sobreviveu ao abalroamento, o «La Bourgogne» foi imobilizado, para receber trabalhos de beneficiação. Foi por essa altura (1897) que lhe foram suprimidos dois dos seus quatro mastros e que o navio recebeu um jogo de caldeiras novas e uma máquina de quádrupula expansão. No dia 2 de Julho de 1898, o navio zarpou de Nova Iorque para uma das suas rotineiras viagens transatlânticas. Levava a bordo os seus habituais 200 membros de equipagem e 500 passageiros, quando, dois dias mais tarde, envolvido por um nevoeiro denso, colidiu violentamente com o veleiro inglês «Cromartyshire», que navegava para Filadélfia. O choque destruíu todas as embarcações de salvamento de estibordo, o que implicou a morte de um número elevado de viajantes, incluindo o seu comandante. Os 166 sobreviventes do naufrágio foram recolhidos pelo outro navio implicado no desastre e pelo paquete «Grecian» (da Allan Line Steamship), que o rebocou até ao porto de Halifax. O soçobro do paquete misto «La Bourgogne» foi a pior catástrofe sofrida pelo seu armador em tempo de paz.

Sem comentários:

Enviar um comentário