sábado, 31 de julho de 2010

«KNYAZ SUVOROV»


Cruzador da classe 'Borodino', esta unidade da marinha imperial russa foi lançada à água em 1902, dada como terminada em Setembro de 1904 e enviada para o Extremo-Oriente (onde deveria integrar o 1º destacamento couraçado da Esquadra do Pacífico) em Outubro desse mesmo ano; isso, sem que se tivesse procedido às indispensáveis provas de mar. A urgência dessa medida foi ditada pelos incidentes russo-japoneses de Porto Artur, que acabariam por descambar em guerra aberta. O «Knyaz Suvorov», que foi construído nos arsenais do Báltico em São Petersburgo, media 121 m de comprimento por 32 m de boca e deslocava 14 718 toneladas em plena carga. Era movido por um sistema de maquinaria a vapor, desenvolvendo 15 800 cv de potência e que podia imprimir ao navio uma velocidade máxima de 18 nós. Do seu armamento principal sobressaiam 4 peças de 305 mm, 12 de 152 mm e 20 de 75 mm, para além de 4 tubos lança-torpedos de 381 mm. A sua guarnição era composta por 28 oficiais e por 754 sargentos e praças, às ordens do capitão Vassili V. Ignatius. Na sua longa viagem para o oceano Pacífico (via cabo da Boa Esperança), o «Knyaz Suvorov» foi um dos navios implicados no incidente de Dogger Bank, que esfriou as relações diplomáticas entre as coroas russa e britânica. Chegado a águas do mar da China após inúmeros precalços e depois da queda de Port Arthur ocorrida em 20 de Dezembro de 1904, o «Knyaz Suvorov» (como, aliás, todos os outros navios da frota imperial) tentou atingir Vladivostok, passado pelo caminho mais curto (e também mais perigoso) do estreito da Coreia. Foi aí, nas proximidades da ilha nipónica de Tsushima que a frota russa, superiormente comandada pelo almirante Rojdestvenski (que içara a sua marca no «Knyaz Suvorov») foi interceptada pela esquadra do almirante Togo e completamente desbaratada. O «Knyaz Suvorov» foi um dos grandes navios russos que não puderam resistir ao fogo inimigo e que soçobrou durante essa batalha travada -a 27 de Maio de 1905- a muitos milhares de quilómetros da Europa.

Sem comentários:

Publicar um comentário