sexta-feira, 23 de julho de 2010

«BONHOMME RICHARD»


Construído em 1766, este navio de 1 000 toneladas foi adquirido pela Companhia (francesa) das Índias Ocidentais, que o colocou na rota comercial das Antilhas com o nome de «Duc de Duras». Em 4 de Fevereiro de 1779, depois de ter sido apetrechado para a guerra e recebido uma guarnição de 380 oficiais e marinheiros (75 dos quais eram americanos), o navio foi baptizado com o nome de «Bonhomme Richard» (em honra de uma personagem criada por Benjamin Franklin) e colocado -por graça do rei Luís XVI- sob o mando de John Paul Jones, oficial de marinha de uma nação que proclamara unilateralmente a sua independência havia apenas 30 meses. E que, por essa razão, se encontrava em guerra aberta contra o governo de Londres. O navio media 46 metros de comprimento por 12 de boca e estava artilhado com um número indeterminado de bocas de fogo (40 canhões ?) de vários calibres. A sua primeira missão com o pavilhão dos Estados Unidos da América levou-o (acompanhado dos navios franceses «Alliance», «Pallas», «Vengeance» e «Cerf») ao golfo da Biscaia, onde «Bonhomme Richard» sofreu avarias, que o obrigaram a regressar ao porto de Lorient (de onde zarpara) para se submeter a reparações. Jones fez um cruzeiro às ilhas britânicas, que circum-navegou, até que -no dia 25 de Setembro de 1779- topou com um comboio de navios mercantes ingleses (em proveniência do mar Báltico) escoltados pelos vasos de guerra «Countess of Scarborough», de 20 canhões, e «Serapis», de 50 canhões. O navio norte-americano acabou por submeter o seu inimigo mais poderoso, após um intenso duelo de artilharia, seguido de abordagem. O «Bonhomme Richard» acabou por arder e afundar-se, mas John Paul Jones ganhou o combate e regressou ao continente com os sobreviventes da sua equipagem a bordo do «Serapis», que haviam conquistado co glória, após renhida luta. A história registou este episódio como sendo o primeiro verdadeiro combate naval da marinha dos Estados Unidos e recorda-o com o nome de batalha de Flamborough Head. Vários peritos em arqueologia marinha tentaram localizar, nas costas do Yorkshire, os restos do «Bonhomme Richard»; que repousariam a 180 metros de fundo. Sem resultado, talvez pelo facto dessa área ter sido, durante, um século, zona da pesca intensiva de arrasto, que terá dispersado tudo o que terá subsistido do histórico navio.

Sem comentários:

Publicar um comentário