domingo, 20 de agosto de 2017

«SAN DIEGO»


Galeão de Manilha. Quer dizer que este, o «San Diego»,era um navio espanhol, daqueles que, nos séculos XVI e XVII, asseguravam e mantinham abertas as ligações comerciais entre as Filipinas e a costa ocidental do México. De onde as mercadorias eram, depois, levadas (por meios terrestres) para a contracosta e, dali, transferidas para Espanha. Deste galeão espanhol não se sabe grande coisa, a não ser que estava armado com 14 canhões e que a sua tripulação andava à roda de 400 membros. Conhece-se, também, qual foi o seu fim : foi afundado no dia 10 de Dezembro do ano de 1600, na sequência de um ataque perpetrado por uma frota de guerra batava constituída pelos navios «Eendracht», «Hope» e «Mauritius». comandada pelo corsário Olivier van Noort; que pretendia apoderar-se do rico carregamento do navio ibérico e traçara planos para conquistar a própria cidade de Manilha. Os desígnios dos holandeses (no referente à conquista da capital filipina) goraram-se, mas o «San Diego» saiu derrotado do confronto e soçobrou em águas do Índico com as suas riquezas. No naufrágio pereceu 3/4 da sua tripulação; mas salvaram-se o vice-governador e comandante do navio Don Antonio de Morga Sánchez Garay para além de um cento de outros membros da guarnição. Os restos do galeão «San Diego» foram achados em Abril de 1992 pelo arqueólogo subaquático Frank Goddio, na baía de Manilha, a 52 metros de profundidade. Deles foram retirados uns 6 000 objectos (moedas, jóias, porcelanas chinesas da dinastia Ming, armas individuais e os canhões), sendo que 70% deles foram parar ao Museu Naval de Madrid (onde podem ser admirados) e os 30% restantes foram confiados ao Museu Nacional das Filipinas. No sítio do afundamento do galeão ficaram, 'apenas', os destroços sem valor comercial ou histórico do «San Diego» e as macabras ossadas de 300 marinheiros e soldados que pereceram na peleja travada contra os Holandeses... Nota : a imagem anexada não representa o navio em apreço, mas um galeão do seu tipo e do seu tempo.

Sem comentários:

Publicar um comentário