domingo, 20 de agosto de 2017

«JOÃO COSTA»

Navio-motor com casco em madeira, que pertenceu à frota bacalhoeira da Sociedade de Pesca Luso-Brasileira, Lda., da Figueira da Foz. Foi construído no ano de 1945 nos Estaleiros Navais do Mondego, na Murraceira (junto à Figueira) por uma equipa  de artífices colocados sob a supervisão de mestre Benjamim Bolais Mónica. Apresentava 773 toneladas de arqueação bruta e media 47,50 metros de comprimento por 10,40 metros de boca por 5,50 metros de pontal. Este navio estava equipado com 1 máquina desenvolvendo uma potência de 600 hp. Tinha uma tripulação de mais de 70 homens, entre oficiais, marinheiros e pescadores; procedendo estes últimos à captura do pescado à linha, com o auxílio de dóris. Concebido para a pesca longínqua, o «João Costa» frequentou -até 1952- os Grandes Bancos da Terra Nova e da Gronelândia. Mas, naquele ano, acabada a campanha e quando já regressava a Portugal com 11 000 quintais de bacalhau salgado, o navio foi destruído por várias explosões; que ocorreram na casa das máquinas por causa, ao que se apurou, de um curto circuito no seu sistema eléctrico. E, em consequência disso, o «João Costa» afundou-se (numa posição calculada em 60 milhas náuticas a norte do arquipélago dos Açores) no dia 23 de Setembro. Por prudência, todos os homens de bordo já haviam tomado lugar a bordo dos dóris, quando se deu o derradeiro e fatal estoiro; que provocou o soçobro do bacalhoeiro. Distribuídos por vários botes, os tripulantes do desditoso navio andaram à deriva no oceano Atlântico durante 6 dias, sem mantimentos e sem água potável. Acabaram por ser resgatados desnutridos, sequiosos e sofrendo do frio -mas com vida- por três navios estrangeiros : pelo «Henriette Schulte», de bandeira federal alemã, e pelos norte-americanos «Compass» e «Steel Executive»; que recolheram, respectivamente, 27, 12 e  35 homens. Que, dos Açores e de Lagos, acabaram de voltar aos seus lares, com uma dramática aventura para contar... Este navio-motor era 'sister ship' do «Capitão Ferreira»; que foi construído no mesmo ano e no mesmo estaleiro.

Sem comentários:

Publicar um comentário