terça-feira, 1 de julho de 2014

«USSUKUMA»

Navio misto (passageiros/carga) de bandeira alemã. Foi construído, em 1921, nos estaleiros da firma Blohm und Voss, de Hamburgo, por encomenda da companhia de navegação Deutsche Ost-Afrika Linie. Com propulsores alimentados por turbinas a vapor, este navio apresentava 7 768 toneladas de arqueação bruta e media 127,60 metros de comprimento por 17,10 metros de boca. Funcionava com uma equipagem de 107 membros e podia acolher 264 passageiros. Colocado na linha Europa- África Oriental, este navio era visita assídua dos portos portugueses de Moçambique, nomeadamente de Lourenço Marques. Porto onde se encontrava no dia 1º de Setembro de 1939, quando eclodiu a 2ª Guerra Mundial. Requisitado pela 'Abwehr' (serviços de inteligência das forças armadas alemãs), para poder dar assistência e fornecer informações aos navios de guerra nazis em operações do Atlântico Sul, o «Ussukuma» foi enviado para Bahia Blanca, na Argentina, onde permaneceu até princípios do mês de Dezembro de 1939. Depois, cumprindo ordens de Berlim, tomou a direcção de Montevideo, para colaborar (ao que parece) com o couraçado «Admiral Graf Spee», em operações ao largo do Uruguai. Mas, na noite de 5 para 6 de Dezembro, foi detectado pelo cruzador britânico «Ajax» (informado da partida do navio inimigo pelos serviços secretos), que o afundou -a 62 milhas náuticas das costas argentinas- com três salvas de artilharia. Da tripulação do ex-paquete germânico salvaram-se as 107 pessoas de bordo, que foram levadas para as ilhas Falkland, onde ficaram internadas, até serem transferidas (no decorrer do ano de 1940) para a África do Sul; onde permaneceram, com o estatuto de prisioneiros civis, até ao final do conflito. Em 2008, os restos do «Ussukuma» foram identificados a 70 metros de fundo e devidamente assinalados como o naufrágio mais antigo de um navio da Alemanha hitleriana em águas argentinas. Curiosidade : o navio em apreço teve 2 'sister ships', o «Wangoni» (que sobreviveu ao conflito mundial e que, em 1946, foi entregue à URSS, enquanto parte das indemnizações de guerra) e o «Usaramo», que foi afundado no porto de Bordéus, na sequência de um bombardeamento aéreo.

Sem comentários:

Publicar um comentário