domingo, 6 de maio de 2018

«PARIS»

Couraçado da armada francesa. Construído em 1912 pelo estaleiro F.C.M. (Forges et Chantiers de la Méditerranée), de Seyne-sur-Mer, este navio pertenceu à classe 'Courbet'. Entrou precipitadamente no serviço activo em 1914, por causa da eclosão da Grande Guerra. O que determinou um regresso ao estaleiro (Arsenal de Toulon) em Novembro de 1915, para ajustes e reparações. Durante o primeiro conflito generalizado, o «Paris» operou essencialmente no mar Mediterrâneo, cumprindo missões (de soberania, de escolta e de patrulha) nas costas do norte de África, mas também em águas maltesas e gregas. Em 1919, já depois do fim da Grande Guerra, este navio assegurou a protecção às tropas gregas que participaram no malfadado desembarque de Esmirna. O «Paris» sofreu, em 1920, uma significativa modernização no arsenal de Sidi Abdallah (Tunísia), depois da qual passou a assumir o papel de navio-almirante da frota francesa do Mediterrâneo. Operação (de remodelação) que repetiu em 1923, desta vez em Brest. Depois disso, o couraçado em apreço esteve envolvido nas operações militares franco-espanholas contra o líder nacionalista Abd-El-Krim. A partir de Outubro de 1931 -já ultrapassado enquanto navio de combate- o «Paris» passou a ser utilizado como navio-escola de timoneiros, de fogueiros e de artilheiros. Quando, em 1939, rebentou a guerra contra a Alemanha nazi, este couraçado foi rearmado e afectado à chamada 3ª Divisão de Linha; mas o facto de se tratar de uma unidade obsoleta, acabou por condená-lo, de novo, a funções subalternas e focadas na formação de marinheiros. Uma avaria grave no seu sistema propulsivo (ocorrida em 1943, já com a França sob ocupação hitleriana) ditou o seu fim e consecutivo desmantelamento. O «Paris» era um navio de 26 000 toneladas (em plena carga), que media 164,90 metros de comprimento por 27 metros de boca por 9 metros de calado. Movia-se graças à força de 28 000 cv desenvolvida por um sistema propulsivo a vapor, composto por 4 turbinas e por 24 caldeiras. Estava equipado com 4 hélices. A sua velocidade máxima era de 21,5 nós. Estava fortemente blindado (de 48 mm a 300 mm) e poderosamente armado com 12 canhões de 305 mm, 22 peças de 138.6 mm, 11 de 47 mm e 4 tubos lança-torpedos de 450 mm. A sua guarnição ascendia a 1 108 homens, oficiais incluídos.

Sem comentários:

Publicar um comentário